PT Login
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos
Foto: Paulo do Vale
Foto: Paulo do Vale
1 de 13 fotos

Gostou deste fornecedor? Partilhe!

Fornecedores Idênticos

Descrição

O basalto negro que os abraça desde a origem de tudo nos Açores é a fonte de inspiração para as criações dos ourives. A rocha vulcânica, chão em que caminham e que nos liga do mar, enriquecida com ouro ou prata trabalhada, é enquadrada em bonitas e preciosas jóias feitas pela mão do criador Paulo do Vale.

As cores, brilhos e texturas do basalto conferem a estas peças um arrojo próprio das mais modernas criações formadas pelo mais laborioso talento. Ao mesmo tempo, a simplicidade do trabalho faz com que estas jóias contemporâneas possam ser usadas como um acessório ou complemento para o dia a dia.
Ao combinar este elemento natural, simples mas poderoso, e, acima de tudo, genuína e marcadamente Português, Paulo do Vale mostra através das criações artísticas um pouco do seu modo de ser e do seu pedaço de terra-mãe no meio do Atlântico.

Paulo do Vale formou-se no Porto em ourivesaria e é, por excelência, um ourives artesão, profissão que acumula com o cargo de avaliador e ensaiador oficial da Imprensa Nacional Casa da Moeda e de zelador do tesouro do Senhor Santo Cristo dos Milagres, um dos maiores tesouros devocionais da Europa.

Comentários (0)

0.0
sobre 5 0 opiniões

Profissionalismo

Qualidade/preço

Recomenda?

Já ultilizou? Deixe a sua opinião

Já utililizou? Deixe a sua opinião

Perguntas Frequentes

  • Gama de preços do serviço

    Preço médio

  • Qual é o vosso horário de expediente?

    De Segunda a Sexta das 9.00 ás 18.30 Hora dos Açores

  • Quais são as condições de pagamento?

    Dinheiro;sim Cheque;sim Transferência Bancária;sim cartão de Créditosim

  • Que tipo de jóias estão disponíveis?

    Anéis de noivado, Alianças de casamento, Colares, Brincos, Pulseiras, Relógios, Botões de punho, Tiaras, Outros

  • Dispõe de atelier próprio para atendimento personalizado?

    Atelier próprio

  • Dispõe de colecção própria ou trabalha com várias marcas?

    Colecção própria

  • Que estilo de jóias é a sua especialidade?

    Estilo moderno

  • O que distingue o seu serviço da concorrência?

    Foi em 1999 que o ourives e criador Paulo do Vale descobriu o Ouro Negro dos Açores, nome que dá ao basalto da ilha de São Miguel por si trabalhado que, de forma original e criativa, começou a integrar as jóias deste artista de reconhecido prestígio nacional e internacional, com prémios obtidos em concursos de design de joalharia, desde a Revista VIP Jóias ao Museu Berardo, passando pelo Museu da Presidência da República. Desde muito novo que Paulo do Vale se senta com paixão na sua banca de ourives artesanal, dando forma e corpo a metais preciosos, seja em jóias, seja em objectos decorativos, numa procura criativa que lhe tem merecido continuado reconhecimento público. À paixão pela ourivesaria, juntou-se a paixão pelas pedras preciosas, domínio que tem merecido do artista muitas horas de estudo e pesquisa nas várias formações que já realizou. Esta conjugação de conhecimentos está, também, subjacente ao seu título de Ensaiador-Fundidor e Avaliador Oficial da Casa da Moeda, actividade que leva a cabo desde cedo na sua já longa carreira. A sua categoria como ourives artesão permitiu-lhe ser responsável pela manutenção do riquíssimo tesouro do Senhor Santo Cristo dos Milagres, imagem sagrada de que não esconde profunda devoção. Na sua qualidade de devoto, foi responsável pela conceptalização e execução do Cálice Sagrado em ouro maçico que agora faz parte do tesouro, assim como da Capa do Ano Jubilar que com a sua mãe enriqueceu de ex-votos de joalharia, peça de invulgar significado a vários títulos. Apesar desta já longa e diversificada carreira, é na sua qualidade como criativo que pela primeira vez reconheceu e utilizou o basalto local que se sustenta a sua fama e reconhecimento. Volvidos mais de 550 anos sobre a descoberta das ilhas pelos portugueses, Paulo do Vale descobriu, assim, o Ouro Negro dos Açores, integrando-o em criações originais neste inovador e interessante conceito de jóias intemporais em ouro ou prata, com autêntico basalto insular, verdadeiros embaixadores dos Açores, e de Portugal, pelo Mundo. Celebridades mundiais, como a Rainha da Jordânia, receberam jóias em basalto do artista como relíquias materiais de memória do nosso país: é um bocadinho de Portugal que lá está.

  • Em que ano iniciaram esta actividade?

    1950