Cláudia & Telmo: um amor celebrado num convento do século XVIII

A Cláudia e o Telmo casaram no ano passado, em Setembro no Convento da Alpendurada, depois de um romântico – e clássico – pedido de casamento em Paris! Um café transformado em jantar foi o “click” para iniciar uma bonita relação, hoje contam-nos tudo sobre a sua história e como foi o seu casamento, ilustrado por Rita Rocha Photography.

Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia

Como se conheceram? Como foi o pedido de casamento?

Conhecemo-nos enquanto trabalhávamos no mesmo hospital, mas só nos “conhecemos” mais tarde, após nos termos cruzado na rua, já várias semanas depois da Cláudia estar a trabalhar noutro sítio. Nessa altura trocamos números de telemóvel e marcamos café… que se tornou em jantar!

O pedido foi durante uma viagem a Paris, mais propriamente no dia em que visitamos o Palácio e Jardins de Versailles, um local lindíssimo. O pedido foi feito enquanto assistíamos a um espectáculo de água/música no Bassin du Miroir sentados num banco de pedra à entrada do Jardin du Roi.

Realizaram alguma sessão antes ou depois do casamento? Se sim,como foi?

Sim, fizemos uma sessão antes do casamento com a nossa fotógrafa – sessão inLove. Inicialmente estávamos muito desconfortáveis com a ‘máquina’, mas a Rita ajudou-nos a relaxar e a aproveitar o momento… e no final já parecia que tínhamos saído com uma amiga para ir passear nos jardins do Palácio de Cristal!

Foi muito importante para conhecermos a forma de estar e de trabalhar da Rita, o que sem dúvida fez toda a diferença para o dia do casamento, em que tudo fluiu com mais naturalidade.

Como foi a organização do casamento?

O casamento foi organizado essencialmente por nós, desde os convites, a decoração da igreja e do espaço e as lanternas que lançamos no final da noite. Começamos por procurar um espaço que correspondesse a alguns pontos que consideramos desde o início essenciais – dado a família de ambos viver distante entre si.  Esses eram: que ficasse a ‘meio caminho’ para ambas as famílias, que tivesse igreja porque queríamos fazer um casamento religioso e fornecesse alojamento. O Convento de Alpendurada foi assim a primeira escolha, pelo qual nos apaixonámos quando visitámos!

A escolha do fotógrafo e da animação surgiram logo depois da escolha do local.

Procuramos acima de tudo pessoas que nos deixassem à vontade, que compreendessem que pretendíamos acima de tudo divertimo-nos no nosso dia e celebrar com a nossa família e amigos.

Qual a escolha mais difícil e mais fácil?

A escolha mais fácil foi sem dúvida a escolha do local: amor à primeira vista! Podemos dizer que o mais difícil foi encontrar um fotógrafo que correspondesse às nossas expectativas e que percebesse aquilo que pretendíamos para o nosso dia. Apesar da procura difícil inicial, foi sem dúvida também uma escolha fácil, assim que vimos/encontramos o trabalho da Rita. E depois da primeira reunião ficamos muitíssimo mais descansados por que tínhamos encontrado a nossa fotógrafa!

Tiveram ajuda?

Durante todo o processo fizemos questão de organizar e tratar ao máximo de tudo que podíamos: afinal era o nosso dia que queríamos partilhar com as nossas famílias. Tivemos – e quisemos – ter sempre “por perto” os padrinhos e a família mais próxima para que estivessem minimamente a par de toda a cerimónia e do dia. Só nos últimos dias/semanas é que tivemos necessidade de pedir ajuda para alguns recados. Tivemos ajuda preciosa das irmãs da Cláudia para a decoração do espaço: achamos que têm imenso jeito na decoração e não nos arrependemos minimamente – ficou tal como tínhamos imaginado.

Onde foram buscar inspiração? Consultaram Blogs, revistas?

Assim que foi feito o pedido e depois de regressarmos a Portugal começou a busca de toda a informação que queríamos. Fomos aconselhados por familiares e amigos mais próximos sobre alguma questões importantes como negociações de contratos e escolhas de sítios e pessoas com quem trabalhar. Fizemos imensa pesquisa online. Utilizamos muitos blogs sobre casamentos com imensa informação e ajudou imenso nas longas horas que passamos em frente ao computador. No início ainda tentamos recorrer a revistas em formato de papel mas pusemos logo a ideia de lado fruto do custo expressivo para a sua aquisição e também, pelo fácil acesso à mesma informação através dos blogs disponíveis na internet.

Tema do casamento?

Não definimos um tema para o nosso casamento. Queríamos essencialmente que o nosso dia fosse um dia de descontracção, alegria e de união entre as duas famílias. Temos famílias bastante descontraídas e divertidas, o que ajudou muito. Foi nossa intenção aproveitar o dia ao máximo e permitir um dia de festa e alegria às nossas famílias. Ao longo dos anos fomos ouvindo histórias sobre coisas que correram mal em outros casamentos (quer de familiares ou amigos) e também fomos a muitos e opinamos sobre aquilo que gostamos e sobre aquilo que desgostamos. Fizemos questão de o dizer sempre a todos aqueles que nos acompanharam: desde a quinta, fotógrafa e animação. Procuramos mesmo aproveitar o dia: dançar, rir, comer, celebrar e partilhar toda a alegria de um dia tão importante.

Como foi o grande dia?

Deu-nos imenso trabalho a preparar “o dia”. Fizemos questão disso e quando esse dia chegou estávamos com a expectativa que corresse tudo bem. Muitos foram os cenários de “desastre” que imaginamos e que, agora que olhamos para trás, dão vontade de rir:

As meninas das alianças desatarem num surto de choro e berros e nem chegarem com as alianças e adereços ao altar; Má disposição do padre que nos deixasse mais nervosos do que já estávamos; Chover torrencialmente e não haver oportunidade para aproveitar um espaço tão bonito; Acontecer algum problema de saúde a algum dos convidados durante o dia; Algum problema com a comida ou o catering;

Foram muitos os cenários que imaginamos que podiam correr mal, que na altura brincávamos mas que tínhamos medo que acontecesse!

Nada disso aconteceu: foi um dia perfeito – tal como imaginávamos. Tivemos muita sorte com o tempo que estava e graças às pessoas que estavam a trabalhar connosco, tudo fluiu melhor do que esperávamos.

Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia

A Rita o Manel e a sua equipa foram fantásticos: relaxados e descontraídos transmitiram-nos uma serenidade que nos ajudou a aproveitar o dia e a tirar fotos maravilhosas – apesar dos modelos não serem grande pistola. A Estefânia do Convento de Alpendurada foi outra maravilha no nosso dia. Esteve sempre por perto e nunca deixou que nos faltasse nada. Tudo correu conforme planeado. Olhando para trás podemos dizer que ao confiar nas pessoas que estavam a trabalhar connosco, tirou-nos um enorme peso dos nossos ombros e permitiu-nos aproveitar realmente o nosso dia: há fotos e imagens do dia que não nos apercebemos porque estávamos relaxados e felizes. Convidados nossos ficaram maravilhados com o Convento de Alpendurada e com a comida que era maravilhosa. Adoraram ainda a música da igreja feita pelos Glissandi!

Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia

Enfim: podíamos continuar a elogiar o trabalho de todos que nos acompanharam. Foi muito graças a eles que nós e a nossa família podemos viver este dia tão importante de forma tão especial!

Se pudessem, mudavam algo?

Algumas coisas podiam ter sido organizadas ou terem corrido de forma diferente… mas vendo o resultado final, não mudávamos nada: foi o nosso dia!

Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia
Rita Rocha Fotografia

Lua-de-mel?

A lua de mel foi bastante especial. Fomos nós que também preparamos. Era um desejo nosso visitar a ilhas gregas: assim foi. Apesar de existirem muitas opções para visitar a região por cruzeiro, achamos que iríamos estar bastante limitados para podermos visitar e explorar. Conseguimos ir às ilhas de Milos, Santorini e Mikonos. No inicio ainda visitamos Atenas e no final passamos por Roma. Foram umas férias de sonho. Tivemos de tudo um pouco: sol, praia, caminhadas, por do sol, comida boa, ambiente relaxado, locais para visitar… Sem dúvida uma viagem a repetir mais tarde.

Fornecedores de Casamento: 

Espaço: Convento de Alpendurada | Fotografia e vídeo: Rita Rocha Photography | Música da cerimónia: Glissandi | Animação: Feedback Produções | Make-up e Hairstyling: A Leonor, MaquilhArte Atelier | Vestido: AireBarcelona – loja Amour Glamour – Noivos de Gondomar, Porto | Fato: loja Amour Glamour – Noivos de Gondomar, Porto | Alianças: Lugar da Jóia, Porto

Contacte as empresas mencionadas na reportagem:

Gostou deste artigo? Partilhe

Dê-nos a sua opinião

Faça gratuitamente e em 2 clicks um site magnífico para o seu casamento.

100% personalizável e com centenas de layouts para escolher Ver mais layouts >

Trabalha no mundo dos casamentos?
Se tem uma empresa de casamentos ou é um profissional, Zankyou ofrece-lhe a oportunidade de divulgar os seus serviços a milhares de casais que nos escolhem para organizar o seu casamento em mais de 19 países. Mais informação