Publicidade

Dia dos Namorados: cinco filmes da Netflix para ver abraçada ao seu amor

O Dia dos Namorados está à porta! Aproveite estas cinco sugestões de filmes e agarre-se ao seu namorado a vê-los

  • Vida a Dois
  • Recomendações
  • Romântico
  • Casal

O Dia dos Namorados está à porta e, com ele, os casais lembram-se por que estão apaixonados, esquecem-se da rotina diária e voltam a dar primazia à companhia um do outro. E, com este frio, qual seria para si a melhor maneira de passar o tempo com o seu amor? “A ver filmes românticos, bem agarradinha a ele”, responde você. Então, nós temos a solução para si. Dê uma vista de olhos nos trailers destes cinco filmes da Netflix e escolha aquele que vai ver no dia 14. Se quiser, até pode ver todos. Uma maratona cinematográfica sabe sempre bem. Não se esqueça das pipocas!

guardar
D.R.

Nós, Ao Anoitecer, de Ritesh Batra (2017)

Publicidade

Robert Redford e Jane Fonda, duas das estrelas mais consagradas de Hollywood, juntam-se pela quarta vez para protagonizar um filme. Referimo-nos a Nós, ao Amanhecer, uma longa-metragem do ano passado, baseada num livro de Ken Haruf. Trata-se de um drama romântico sobre dois viúvos que nunca tiveram grande contacto, apesar de serem vizinhos há décadas. Os dois começam a dormir juntos, só para se sentirem mais acompanhados, mas logo nasce um verdadeiro romance.

A Rapariga Dinamarquesa, de Tom Hooper (2015)

Este filme, baseado na verdadeira história de Lili Elb, a primeira mulher trangénero, é uma ótima escolha para os amantes que adoram cinema, não só pelo seu argumento e realizador, como também pelas interpretações brilhantes dos protagonistas. É o caso de A Rapariga Dinamarquesa, um filme que nomeou para os Óscares os atores principais, Eddie Redmayne e Alicia Vikander, premiando a atriz. Esta película mexe connosco porque trata de um assunto muito delicado, como a questão da transexualidade, ainda mais nos anos 20. Lili Elb nasceu de Einar Magnus Andreas Wegener, um famoso pintor dinamarquês que descobriu a sua nova condição, já casado com Gerda Gottlieb, também pintora. Quando decidiu fazer uma cirurgia de transplante de útero, o médico avisou logo que era muito perigosa e arriscada. Lili acabou por morrer em 1931, vítima de complicações pós cirúrgicas, aos 48 anos, e tornou-se na primeira pessoa no mundo a submeter-se a uma cirurgia de mudança de sexo. Gerda esteve sempre ao seu lado… Os dois amavam-se de verdade, independentemente do género de cada um.  

Não quer perder as últimas novidades para o seu casamento?

Subscreva a nossa newsletter

Love Is Strange – O Amor é Uma Coisa Estranha, de Ira Sachs (2014)

Esta história, tal como a anterior, fala de um amor alternativo que, mesmo nos dias de hoje, ainda é visto com preconceito. Só que Ben (John Lithgow) e George (Alfred Molina) não se deixaram levar pelas imposições sociais e aproveitaram a “porta” que o sistema abriu, decidindo oficializar a sua relação de 40 anos. Tudo parecia começar a correr bem para este casal, até que Ben é despedido do seu emprego como professor de coro num colégio católico, porque a igreja não aprova o casamento homossexual. A partir daqui, a vida de Ben e George, em vez de melhorar, cai numa cadeia de situações complicadas, ao ponto de terem mesmo de passar a viver em casas separadas, de familiares e amigos diferentes. Este filme, estreado em 2014, no Festival de Cinema de Sundance (EUA), toca num assunto transversal a todas as gerações e que afeta mais gente do que se imagina. Mas mais uma vez, o amor é que dá a última palavra.

José e Pilar, de Miguel Gonçalves Mendes (2010)

Este documentário sobre José Saramago e Pilar de Río é uma verdadeira ode ao amor. Uma declaração de amor que o Nobel da Literatura, português, faz à sua mulher, com o seu romance A Viagem do Elefante, como pano de fundo. Filmado entre 2006 e 2009, esta obra mostra o quotidiano do casal e a forma incondicional com que se amavam. Saramago não se cansa de provar o quanto amava Pilar, chegando mesmo a confessar que a sua vida não seria a mesma se não a tivesse conhecido. “Não sei como viveria sem ela”, desabafa.

(500) Dias com Summer, de Marc Webb (2009)

Desta lista de cinco filmes este é talvez o mais leve. Uma comédia (negra) romântica sobre um pessimista em matéria de amor, apesar de ser muito romântico. Tudo o que Tom (Joseph Gordon-Levitt) queria era ter um amor para a vida, mas receia que isso nunca venha a acontecer. Só que no dia em que conhece Summer (Zooey Deschanel), o rapaz enche-se de esperanças, muito amor no coração e deixa-se cair nos braços dela. O que ele não estava à espera é que Summer o deixasse ao fim de 500 dias. Resta-lhe agora rebobinar todos os esses dias e perceber o que se passou. Será que afinal ele tinha toda a razão em ser pessimista?

Se quiser outras opções, saiba que bons filmes não faltam, inclusive da Netflix, como é o caso destes dez. Vai ver que ainda vai ficar mais apaixonada pelo seu namorado… Mas se no fundo, o que você quer é um pretexto para não o largar nem por um segundo, é porque gosta de filmes de terror (romântico). Aposte nestes seis.

Publicidade

Dê-nos a sua opinião