Devo adotar o apelido do meu marido quando casar?

Devo adotar o apelido do meu marido quando casar?

Apesar de antigamente a tradição mandar as mulheres adotarem o nome do marido, esta prática tem vindo a mudar. A tendência atual é para que ambos os noivos mantenham os seus nomes de solteiros.

  • Trâmites Casamento
  • Conselhos
  • Msn
  • Noivos
  • Casal

… Ou, pelo contrário, deverá ele ficar com o meu? Esta questão já não é tão simples como antigamente. A tradição e a lei mandavam que a mulher adotasse o nome do marido. Só que a sociedade mudou e com ela o papel da mulher na mesma. Como poucas mulheres trabalhavam, acabando por depender financeiramente do homem, estas ficavam com o nome dele, como forma de dizer que agora passavam a ser responsabilidade de outra família.

guardar
Foto: Eternity Weddings

Só que os tempos são outros, a tradição, mais uma vez, já não é o que era e a lei teve de se adaptar. De tal forma, que hoje até pode ser o homem a acrescentar o nome da mulher. Só que, em algumas famílias mais tradicionais, a decisão da esposa não aceitar o nome do marido pode ainda ser malvista. Existem ainda casos mais extremos de casais que optam por excluir o apelido de solteira da esposa para substituí-lo pelo do marido. Curiosamente, em alguns casos porque ela própria prefere ter um nome curto (mais prático) e fácil de assinar.

guardar
Foto: João de Medeiros

Esta questão tem gerado polémica, uma vez que há quem considere esta questão bastante machista. Contudo, os casais já são livres de tomar a decisão que quiserem. Há exemplos em que os dois acrescentam o sobrenome do outro, como sinal de amor e compromisso. Mas assim os apelidos acabam por ficar trocados. Por exemplo, se o homem se chamava Cunha e a mulher Oliveira, ele passa a ter como apelido: Cunha Oliveira e ela Oliveira Cunha. Para evitar essa situação, a lei permite que o casal escolha a ordem dos sobrenomes. Neste caso específico, a nova família poderia passar a chamar-se Cunha Oliveira ou Oliveira Cunha. Muitas vezes, o casal só altera o apelido, quando têm filhos. Assim, ficam todos com o mesmo nome.

guardar
Foto Rodrigo

Contudo, pode ficar tudo na mesma. Ou seja, nenhum dos elementos é obrigado a mudar de nome, quando casa. É uma forma de manterem a sua identidade e fugirem à burocracia de mudar os documentos. Esta é, aliás, a opção mais corrente, atualmente. Já são mais de 60% as mulheres que optam por manter os seus nomes, segundo dados do Ministério da Justiça.

Não quer perder as últimas novidades para o seu casamento?

Subscreva a nossa newsletter

Se, por acaso, o casal optou por alterar os sobrenomes, pode um dia reverter tudo. Em caso de divórcio, por exemplo. Terá é de se voltar a ver com toda a burocracia e custos inerentes.

guardar
Foto: Faraway

O importante a reter é que devagar a sociedade está a adaptar-se aos novos tempos e a tentar respeitar a igualdade entre homens e mulheres. Aos poucos, aqueles que ainda julgam que as esposas têm de aceitar o nome dos maridos vão deixando de pensar assim. Se bem que muitas vezes são as próprias mulheres que não mudaram o chip e ainda optam por adotar o nome do marido. Muitas porque gostam de respeitar a tradição e não o veem como uma quebra na sua própria identidade, outras porque querem agradar o futuro esposo, ou por outras razões pessoais.

guardar
Nuno Vicente – Photography

Em Portugal, a lei prevê que o homem tenha a faculdade de escolher o sobrenome da mulher, desde 1978. Ninguém diria, uma vez que hoje, quase 40 anos depois, esta opção está longe de ser uma prática corrente. De acordo com o Instituto de Registos e Notariado, em 2014, apenas 1422 homens optaram pelo nome da esposa – cerca de 4%. Se tivermos em conta que em 2007 a percentagem foi a mesma, não se notou grande alteração desta prática em sete anos.  Já a percentagem de mulheres que adotou o nome dos maridos caiu perto de 8% entre esses anos de referência (49,15% em 2007, contra 41,42% em 2014).

guardar
Bruno Quadros Fotografia

No entanto, vão sempre surgindo casos de homens que querem os nomes das suas mulheres. Recorde-se que o artista plástico Marco Perego escolheu ficar com o nome de Zoë Saldana, quando se casaram, em 2013. Nem a própria atriz escondeu o espanto, chegando mesmo a confessar à revista InStyle que tentou dissuadi-lo. “Eu disse-lhe que se usasse o meu nome, seria emasculado pela comunidade artística, pela comunidade latina e pelo mundo!” Ele respondeu que não ligava!

guardar
Foto Instagram

A reação de Zoë causou tanta estranheza, que ela até se viu na obrigação de justificar a sua posição, nas redes sociais:

Eu estou orgulhosa da decisão do meu marido. (…) Por que é tão chocante que um homem adicione o sobrenome de sua esposa? As mulheres nunca foram indagadas se gostariam de abdicar de seu próprio nome. (…) Cavalheiros, eu imploro que pensem fora da caixa. Vamos redefinir masculinidade. Um homem de verdade anda ao lado de sua parceira. Um homem real entende que nada é feito sozinho. (…) Vamos começar a deixar algumas limitações que herdamos do passado, e criar um novo caminho daqui para frente!”, escreveu.

Este caso ainda representa uma gota no oceano. A tendência que mais tem crescido nos últimos anos é a de cada um manter o seu nome.

Contacte com as empresas mencionadas neste artigo

Eternity Weddings Fotógrafos e vídeo
Casa da Praia Quintas casamentos
Nuno Vicente - Photography Fotógrafos e vídeo
Foto Rodrigo Fotógrafos e vídeo
Bruno Quadros Fotografia Fotógrafos e vídeo
João de Medeiros Pamela Leite Fotógrafos e vídeo