O amor e outras drogas: há coisas que sentimos e não explicamos, mas a ciência explica...

O amor e outras drogas: há coisas que sentimos e não explicamos, mas a ciência explica...

Assim se explica o amor verdadeiro... E o desamor também.

O amor e outras drogas: há coisas que sentimos e não explicamos, mas a ciência explica...
Photo by Nathan Dumlao on Unsplash
  • Vida a Dois
  • Msn
  • Amor
  • Casal

Há coisas que sentimos e não explicamos. Mas a ciência explica… Oxitocina, dopamina, norepinefrina, serótina, são milhares as hormonas e os químicos que atuam sobre o nosso corpo, convencendo o nosso cérebro de que estamos apaixonados. A terminologia é complexa, os estudos são muitos, há provas que corroboram todas teorias, mas a conclusão é só uma: o amor é viciante.

Amor à primeira vista ou os efeitos da oxitocina

A oxitocina altera as conexões dos circuitos neurais, ajudando a estabelecer laços com outra pessoa após emoções fortes. Traduzindo, é a hormona que o nosso corpo produz depois de uma carícia, de um beijo e, claro, de um orgasmo. É uma substância endógena (produzida pelo corpo) que atua como uma substância exógena (droga ou medicamento ingerido) e que ativa a produção de outros neurotransmissores. O resultado? Uma cascata de emoções e nem todas são positivas. A oxitocina é também ‘responsável’ pelo ciúme que sentimos.

Adrenalina e amor? Dopamina

A dopamina uma hormona libertada pelo hipotálamo que aumenta a frequência cardíaca e pressão arterial. Quando nos apaixonamos, a dopamina faz-nos sentir eufóricos e enérgicos, atuando de uma forma muito semelhante ao uso de estímulos externo (drogas) ou internos (oxitocina). E com efeitos colaterais da abstinência também.

Veja também: Será que é amor? Existem 8 efeitos físicos que o denunciam! Venham conhecê-los!

guardar
Photo by Hannah Busing on Unsplash

Mãos suadas, sinónimo de norepinefrina

Não quer perder as últimas novidades para o seu casamento?

Subscreva a nossa newsletter

O nodradenalina ou norepinefrina é um neurotransmissor semelhante à adrenalina. É ela que despoleta o stress, que faz o coração bater mais rápido e que aumenta a pressão arterial para oxigenar o sangue. Quando coramos, a ‘culpa’ é da norepinefrina.

Serotonina, o segredo dos mais confiantes

Quanto mais confiante se sentir, mais atraente se torna também. E isso é algo que pode agradecer à serotonina, a substância responsável pelo bem-estar, capaz de gerar otimismo e de suprimir impulsos agressivos. Níveis de serotonina muito baixos podem dar lugar a depressões, da mesma forma que níveis muito altos de serotinina podem fazer com que sinta ainda mais apaixonada.

Veja também: Quando um homem ama uma mulher: 5 coisas que eles fazem quando amam!

guardar
Photo by Hannah Skelly on Unsplash

Viciados no amor!

Como com qualquer outra ‘droga’, o nosso corpo também ganha tolerância às substâncias que produz, precisando de ‘doses’ cada vez maiores para conseguir as mesmas sensações. E é assim que a ciência explica o que nós, os leigos, chamamos de ‘crise dos sete anos’, por exemplo. Os nossos recetores neuronais sentem necessidade de se ajustar às novas doses.

Assim se explica o amor verdadeiro… E o desamor também.

 

Talvez também lhe interesse: