Qual é o melhor momento para ter o primeiro filho?

Cada casal tem uma determinada forma de ver a vida, que geralmente define todas as decisões vitais importantes. Ter filhos é uma delas e depende muito do momento em que ambos se encontram, da duração da relação ou da idade dos implicados. Por isso, hoje vamos abordar este tema não com certezas ou conselhos directos, mas com respostas  e esclarecimentos a afirmações ou perguntas que muitas vezes invadem as mentes das mulheres em relação aos filhosrevelando-lhe algumas coisas importantes que deve ter em conta e desmontando mitos, para que esta grande decisão dependa única e exclusivamente de si e do seu parceiro.

Jaime Neto Photography

“A minha mãe na minha idade já tinha dois filhos…”

Quantas vezes lhe passa esta frase pela cabeça? Mas tem de pensar que eram outros tempos. Sim, é verdade, não é uma frase cliché. Hoje em dia tudo é diferente. Os jovens ainda vivem uma instabilidade económica motivada pela crise que começou em 2007 e que, infelizmente, veio a comprometer a existência de equilíbrio nas suas vidas. Ainda hoje se sofre da precariedade laboral, de preços de casas demasiado elevados face à média de ordenados, etc. Tudo isto contribui para que os jovens adiem a construção de uma vida familiar própria. Para além disso, há uma outra questão muito importante e que influencia a maternidade mais tardia: o aumento de jovens mulheres universitárias e trabalhadoras, em relação à época dos nossos pais. Por fim, há ainda a acrescentar a existência de um novo conceito de vida, que deriva da agitação da rotina, da importância do trabalho e da necessidade de desfrutar de cada momento para desconectar do dia-a-dia. As crianças, portanto, chegam mais tarde.

George Rudy
Foto vía Shutteratock: George Rudy

“Eu não sinto o apelo da maternidade, mas e se passa a idade de ter filhos?”

Esta pergunta remete-nos, para já, a um conceito um pouco machista, embora seja feita pelas próprias mulheres. A verdade é que uma mulher não precisa de ter filhos (ou marido!) para ter uma vida plena. Se não sente o “apelo”, não sente. De qualquer forma, em termos biológicos, é também importante ter noção de que é possível ter filhos aos 40 anos  – e que são cada vez mais as mulheres que são mães pela primeira vez nesta fase das suas vidas. Claro que as possibilidades de engravidar vão diminuindo: aos 20 anos são de 25% em período de ovulação, baixam para cerca de 15% na casa dos 30, a uns 8% aos 35 e cerca de um 3% quando se ultrapassa os 38 anos. Mas a gravidez acontece e, com os avanços da medicina, tudo corre bem. Por isso, pressas, não. Ter filhos não é como comprar uma casa ou decidir viver junto com alguém. É uma decisão para a vida e não dá para voltar atrás.

Africa Studio
Foto via Shutterstock: Africa Studio

“Quero que o meu filho tenha pais, não avós”

Ok, até pode fazer sentido. Não queremos estar demasiado velhos quando ainda temos filhos muito pequenos, que nos sugam a energia e nos exigem um esforço físico e mental que vai diminuindo à medida que avançamos na idade. Queremos que tenham um pai ou uma mãe com quem brincar sem o risco de o dia acabar nos Cuidados Intensivos. Mas os 30 ou 40 anos de hoje nada têm nada a ver com os de antigamente. Aliás, se formos ver bem, os adultos que se encontram nestas idades parecem filhos das pessoas que tinham a mesma idade há uns anos atrás (dê uma vista de olhos numa foto dos seus avós, ou até mesmo dos seus pais, e vai entender). O espírito, o estilo, as ambições…Tudo isto contribuiu um “prolongamento” da juventude e um melhoramento geral, quer por dentro ou por fora. Para além dos avanços tecnológicos e das práticas de lazer mais saudáveis, que aumentaram a esperança média de vida. Por isso, ter um filho aos 35-40 anos não é um disparate, nem sequer é egoísta, pois os seus pequenos vão poder desfrutar dos seus pais como se estes fossem ainda dois miúdos.

altafulla
Foto vía Shutterstock: altafulla

“Não sei se hei-de esperar alguns anos ou tê-lo já”

Biologicamente, a idade perfeita para se ter filhos é entre os 20 e os 25, mas esta decisão vai muito mais além da ciência. Digamos que depende da pessoa, do casal e do momento que se está a viver. Claro que se não se importar de superar rapidamente etapas vitais e unir a sua adolescência à construção de uma vida familiar própria, o ideal é que tenha o seu primeiro filho por volta dos 25 anos, após a Universidade (se a frequentou) e já com um trabalho que lhe permita alguma estabilidade. Se, pelo contrário, considera que os 20 anos são para desfrutar com o seu parceiro/parceira e com amigos, viajando e vivendo múltiplas experiências, espere mais um pouco e tente a sorte aos 30 (lembre-se, vai desde os 30 aos 39 anos).

jujikrivne
Foto vía Shutterstock: jujikrivne

Cada pessoa deve ter em conta as suas inquietações, os seus receios, dúvidas e incertezas. Mas nunca deve ceder a pressões sociais! Ter um filho não é um capricho, deve chegar no momento certo. Descubra qual é o seu e aproveite bem a construção da sua nova família.

Se gostou deste post veja também:

Contacte com as empresas mencionadas neste artigo

Dê-nos a sua opinião

D.R.
Miranda Kerr e Evan Spiegel esperam o primeiro filho!
Parece mesmo um baby boom... e ainda bem! Desta vez são os recém-casados Miranda Kerr e o marido Evan Spiegel quem estão de parabéns.
Foto: Diana Nobre
Sabe qual é a idade perfeita para casar? Nós temos a resposta!
Uma fórmula matemática e os estudos sociológicos da Universidade de Utah chegaram a uma curiosa conclusão.
I do - Inez Cortez Photography
20 experiências que deve ter com o seu parceiro antes de ter filhos
Aproveite a vida ao máximo! Com ou sem filhos. A única vantagem de ainda não os ter é poder fazer mais coisas às horas mais estranhas. Será isso suficiente para adiar um projeto de vida a o dois tão importante?!

Faça gratuitamente e em 2 clicks um site magnífico para o seu casamento.

100% personalizável e com centenas de layouts para escolher Ver mais layouts >

A sua empresa também pode estar na Zankyou!
Se tem uma empresa de casamentos ou é um profissional do sector, Zankyou oferece-lhe a oportunidade de divulgar os seus serviços a milhares de casais que nos escolhem para organizar o seu casamento em 23 países. Mais informação