Dúvidas antes do casamento: como será viver a dois?

Dos temas que os leitores da Zankyou nos propuseram, havia dois tão próximos um do outro que não resisti a abordá-los juntos.

Os temas são “será benéfico viver sozinho antes de viver a dois, ao invés de passar directamente da casa dos pais para a casa do casal?” e “viver a dois depois de muito tempo a viver sozinho”. A questão que une estes dois temas é a da individualidade dos elementos do casal.

Fotos: Beadix @ Etsy

Um dos sinónimos de casamento é união. E, à volta da palavra união, sobretudo no
contexto do casamento, flutua uma ideia que pode ser a destruidora da vida em conjunto: a ideia de que união significa deixar de haver individualidade.

Sabe aqueles pendentes ou porta-chaves compostos por duas partes que se juntam para formar um coração? Cada uma das metades é abstrata – não tem significado sozinha. Apenas o ganha quando se junta à outra metade. Esta é a imagem que pode minar o casamento: a de que o significado só existe quando estamos juntos.

O desafio lançado pelos leitores da Zankyou é quase o oposto: como juntar duas
individualidades valiosas e únicas sem perder significado? Quase como se cada um tivesse um pendente com a forma de um bonito coração que quer encaixar no do outro, mas quando os juntam ao invés de ganharem, perdem significado: os dois juntos não representam uma forma conhecida…

Foto: Stamp Blanks @ Etsy

Nas duas situações sugeridas pelos leitores estão implícitos dois medos que podem bloquear a descoberta deste novo significado. Vamos olhar de frente para esses medos para, de seguida descobrir como lidar com eles.

Medo nº 1: “se eu não viver sozinho não vou saber quem sou e por isso não saberei levar a minha individualidade para o casamento”.

Medo nº 2: “se eu viver sozinho muito tempo a minha individualidade será demasiado “forte” para que eu aceite as características de outra individualidade”.

De certeza que já se identificou com um dos medos. E agora, o que fazer com ele? Colocar uma boa pergunta pode ser um excelente ponto de partida. Se escolheu o medo nº 1, pergunte a si mesmo: “como posso levar para o casamento as características e dons que me tornam único e me distinguem das outras pessoas?”. Se o medo nº 2 é mais a sua cara, pergunte-se: “quais são as características da pessoa que escolhi para companheira, que podem tornar-me uma pessoa melhor?”

Lembre-se que não existe um caminho único: qualquer dos caminhos que escolher terá ganhos e perdas. Saber apreciar e vivenciar as especificidades do percurso que escolheu é a parte divertida!

 


Guest blogger: Ângela Coelho

Coach parental, psicóloga, mãe de dois filhos, criou em 2008, juntamente com Sandra Belo, a Family Coaching, concretizando um sonho que nasceu com a maternidade: trabalhar com famílias.

 

É especialista numa área associada à temática do casamento e gostava de escrever na Zankyou Magazine? Contacte-nos.

Mais informação sobre

Dê-nos a sua opinião

Foto: Por Magia - Photography
Como cuidar da auto-estima em casal: 7 passos para o conseguir
A melhor forma de amar alguém é começar por se amar a si próprio. Desta forma poderá ajudar a sua cara-metade a fortalecer a sua auto-estima e garantir que nada vos debilite
Miguel Matos Fotografia
Como ser um casal feliz? 6 Conselhos para que a paixão fale por si!
Esqueça as utopias e centre-se em objectivos reais, daqueles são verdadeiramente alcançáveis. Como cuidar da sua relação, por exemplo!
Rui Cardoso Photography
Dizem que casar no inverno é mais romântico... Será verdade?
Descubra o porquê de alguns casais defenderem que casar no inverno é significativamente mais romântico!

Faça gratuitamente e em 2 clicks um site magnífico para o seu casamento.

100% personalizável e com centenas de layouts para escolher Ver mais layouts >

A sua empresa também pode estar na Zankyou!
Se tem uma empresa de casamentos ou é um profissional do sector, Zankyou oferece-lhe a oportunidade de divulgar os seus serviços a milhares de casais que nos escolhem para organizar o seu casamento em 23 países. Mais informação