Só necessita de três meses de convivência para saber se a sua relação tem futuro

A ciência, mais uma vez, cruzou e juntou dados, números e hipóteses a um tema bem sentimental. Mas, desta vez, faz sentido: uma vez superado o momento da paixão, com a convivência como cenário principal, a coisa complica-se; nestes momentos, entra em jogo a logística e não cabem meias medidas. Nesses primeiros dias a viverem juntos, 100 para sermos mais exactos, desenha-se o mapa da relação séria; é aí onde a ciência tem muito que dizer. Claire Kamp, socióloga da Universidade de Ohio, e John Gottman, profissional em casais e autor de Siete reglas de oro para vivir en pareja (Sete Regras de Ouro para Viver em Casal), nos colocam a par de tudo.

1Love4ever Photography
1Love4ever Photography

Saber diferenciar entre a paixão e a vida real

Chegar a casa com uma pessoa on fire, despir-se a caminho do quarto, derrubar um candeeiro e não pararem de se beijar e de se tocarem são coisas habituais quando o instinto animal e sexual saem para passear. A isso chama-se paixão e rezará para que continue o maior tempo possível. Esse conglomerado cósmico de roupa pelo chão, suor, falta de decoro e lençóis desarrumados será um sinal inequívoco de que o assunto começou bem. No entanto, após algum tempo, essa desordem poderá deixá-la/o louca/o, pois uma relação é um estado em que a paixão existe, mas já não com o papel principal, pois gere-se uma série de normas para que o seu espaço familiar pareça uma casa decente. E este tipo de situações desembocam em discussões… a isto se chama relação!

Peter Bernik
Foto via Shutterstock: Peter Bernik

Discussões

Claire Kamp e a sua equipa da Universidade de Ohio realizaram uma investigação que começou nos anos 80, mas que lançou as bases de uma teoria muito interessante. Chegou-se à conclusão de que quase tudo se baseia nas discussões. Não se deixe enganar, elas existirão na sua vida, mas a forma como as resolve será a chave na sua vida matrimonial. “Os casais que assumiam desde o princípio uma tomada de decisão desigual, tinham maiores probabilidades de apresentar maior conflito conjugal”, explicou Kamp.

Diante da pergunta sobre a frequência das discussões, os entrevistados tinham as seguintes opções: nunca, poucas vezes, às vezes, muitas vezes ou frequentemente. 16% demonstrou baixos níveis de conflito; 60% moderado e 22% alto. Nesses 100 dias, determinar-se-ia a forma de abordar esses problemas e as posições de ambos os indivíduos não só em casal, como na relação. “Se um casamento não vai funcionar, o mais provável é que ele se manifeste nesta etapa”, esclarece Kamp. Se as discussões frequentes e fortes ao início não são bom sinal.

Rawpixel.com
Foto via Shutterstock: Rawpixel.com

Entendimento

Segundo John Gottman, o importante numa discussão não é o problema em si, mas sim encontrar a forma de desenvolver empatia face ao outro. Ainda que não se mude de opinião sobre um tema, não há nada como colocar-se no lugar do outro e compreender as suas emoções. Desta forma, será muito mais simples descobrir como se sente e porque é que chegou até àquela postura. Se se assumir este comportamento desde o início, os conflitos poderão ser encerrados e não serão um fardo durante toda a vida em comum.

Para chegar até este ponto é importante abrir-se e expressar todas as posturas vitais, desde as prioridades até aos aspectos em que poderiam ceder. Também é necessário estabelecer os valores da relação e que ambos considerem importantes para a vossa família. Neste caso, o entendimento é uma prioridade, pois falamos de assuntos chave para o futuro.

nd3000
Foto via Shutterstock: nd3000

Uma equipa

Uma relação é uma equipa e isto deveria ficar bem claro desde o primeiro momento. Durante esses primeiros três meses a viverem juntos, não só se estrutura a relação segundo a qualidade das discussões, como surgem os papéis que cada um vai exercer através delas. A submissão e a dominação, sempre de um ponto de vista sociológico e não selvagem, surgem nestas situações, onde um dos indivíduos demonstra uma atitude de obediência, talvez por falta de personalidade ou decisão, e outro de autoridade.

Ainda que esses papeis dentro da relação possam repartir-se nesse período de adaptação, recomendamos que nunca se chegue até esse ponto. Em todos os casais há graus, às vezes mudando entre os dois membros da relação, mas o equilíbrio seria a nota correcta diante das outras, que são muito mais dissonantes. Estas relações são muito mais propícias ao êxito, ainda que as outras também continuem o seu curso em muitos casos, quer sejam mais ou menos felizes.

g-stockstudio
Foto vía Shutterstock: g-stockstudio

Se começou a viver com a sua cara-metade, aprenda a manejar as discussões nesta etapa chave. Se não, quem sabe, se arrependa no futuro. Boa sorte!

Se gostou deste post talvez também lhe interesse:

Dê-nos a sua opinião

Diana Nobre Fotografia
Amar é fácil, o difícil é conviver com a pessoa que amamos: dicas para que a vossa vida depois do casamento seja um sucesso!
Como viver cada segundo, na mesma casa, com a pessoa que amamos? Como fazer com que a vida a dois, depois do casamento, seja um sucesso? Bem, hoje, respondemos às vossas preces e a essas perguntas: venham espreitar!
Dream Weddings Europe. Fotografia:  D10Photo
Recém-casados: abrir uma conta bancária conjunta, sim ou não?
Abrir uma conta conjunta depois do casamento é uma decisão que não se deve tomar de ânimo leve. Há algumas questões que deve analisar, inclusivamente você mesma
São um casal feliz? A ciência tem a resposta!
São um casal feliz? A ciência tem a resposta!
Espreite estes interessantes estudos sobre as relações perfeitas e tire as suas próprias conclusões!

Faça gratuitamente e em 2 clicks um site magnífico para o seu casamento.

100% personalizável e com centenas de layouts para escolher Ver mais layouts >

A sua empresa também pode estar na Zankyou!
Se tem uma empresa de casamentos ou é um profissional do sector, Zankyou oferece-lhe a oportunidade de divulgar os seus serviços a milhares de casais que nos escolhem para organizar o seu casamento em 23 países. Mais informação