Beijos que fizeram História: o nosso top 5

Beijos que fizeram História: o nosso top 5

Da mesma forma que há beijos que marcam a sua história de amor, há beijos inesquecíveis que marcam a nossa História

Beijos que fizeram História: o nosso top 5
  • Vida a Dois
  • Msn
  • Beijo
  • Casal

Um beijo sela um compromisso e simboliza a união de um casal. Por que outro motivo seria esta a forma de afeto escolhida para fechar uma cerimónia de casamento e ao mesmo tempo sinalizar o início de um compromisso?

Da mesma forma que há beijos que marcam a sua história de amor, há beijos inesquecíveis que marcam a nossa História. E esses momentos, captados em câmara ou registados numa tela, inspiram milhões. Roubados, oferecidos, escondidos, envergonhados, os beijos são as melhores partes de qualquer história.

Porque o planeamento de um casamento é um período da vida de duas pessoas particularmente românticas, porque não rever alguns dos beijos mais famosos de sempre? Escolhemos 5 dos mais enternecedores. Se você se apanhar a sorrir em frente ao ecrã, já nos fez ganhar o dia. E quem sabe não se inspira e recria um destes beijos com a sua cara-metade!

Leia também: Besame, besame mucho! Descubra os benefícios do seu corpo ao beijar

Nº 5

Não quer perder as últimas novidades para o seu casamento?

Subscreva a nossa newsletter

Abstrato e simbólico, o quadro O Beijo de Gustav Klimt é um dos beijos mais famosos da nossa História. Nele está representado um casal envolto em lençóis, desenhado, contudo, como uma unidade. É um dos exemplos mais bonitos da união de um casal, pintado entre 1908 e 1909. Dizem alguns estudiosos que o quadro foi inspirado na companheira Emilie Flöge, que terá servido de modelo à figura feminina em evidência na tela.

Para vê-lo ao vivo e a cores, só no Palácio Belvedere, em Viena, mas para encená-lo a vivo e a cores, só precisa de usar a sua imaginação. E transformar um momento de intimidade numa recordação da sua história de amor.

Leia também: Descubra os tipos de beijos e as emoções que despertam!

guardarThe Kiss (Klimt), Der Kuss, Gustav Klimt
O Beijo, de Gustav Klimt. Foto Wikipédia

Nº 4

O beijo no L’hotel de Ville é, possivelmente, a foto mais conhecida do fotojornalista Robert Doisneau. E se não despoletou o mito de Paris como a cidade mais romântica do mundo, com certeza validou essa ideia. Françoise Bornet e Jacques Cartaud são o casal que se beija distraidamente, numa rua movimentada da capital francesa. Tirada em 1950, a imagem foi escolhida para a revista Life e, desde, então conquistou os corações dos mais românticos (e dos menos também).

Na década de 90 a foto gerou muita controvérsia e só então Doisneau revelou a identidade dos amantes, acabando por confessar também que a foto foi encenada, mas ninguém se desapaixonou pela imagem. Em 2005 a foto foi vendida por mais de 150 mil dólares a um (romântico) colecionador suíço.

Leia também: 11 tipos de abraços que dizem muito sobre a sua relação de amor ou amizade

guardarO beijo, a foto mais conhecida do fotojornalista Robert Doisneau.
L’hotel de Ville. Foto Robert Doisneau

Nº 3

Outra vez França! Outra vez Paris. L’amour, l’amour! Para os fãs de Rodin, a escultura o Beijo é talvez a mais bonita representação de um beijo. Muito intimo e igualmente intenso, o trabalho data de 1889 e tem servido de inspiração a milhares de artistas (e românticos) ao longo de mais de um século.

É curioso pensar que a estátua “O Beijo” foi originariamente pensada para integrar a obra “As Portas do Inferno”, já que se inspirava na história adúltera de Francesca da Rimini, imortalizada no livro O Inferno de Dante. A obra mostra um beijo de Francesca e Paolo, irmão do marido de Francesca, mas em 1887 os críticos de arte convenceram Rodin a isolar a escultura e a denominá-la simplesmente O Beijo, apagando a ideia original de Rodin de homenagear com a sua peça a história de Francesca. Hoje, românticos de todo o mundo olham para a obra e voltam a perder-se de amores por ela. Quer vê-la de perto e testar esta nossa teoria? Visite o Museu Ny Carlsberg Glyptotek, em Copenhaga.

Leia também: Pedido de casamento: contemporâneo ou tradicional? Onde? Quando?

guardara estátua "O Beijo", de Rodin, exposta no o Museu Ny Carlsberg Glyptotek, em Copenhaga.
O Beijo, de Rodin. Foto Wikipédia

Nº2

No segundo lugar está um outro clássico do fotojornalismo e mais um dos grandes sucessos da revista Life. Desta vez, é a foto de Alfred Eisenstaedt que retrata um marinheiro Americano a beijar uma mulher no dia 14 de agosto de 1945 em Nova Iorque, mais especificamente no coração de Times Square. Já adivinhou? Sim, é a foto que assinalou a Vitória dos EUA sobre o Japão. A imagem tornou Eisenstaedt um dos mais cobiçados fotojornalistas de sempre e também inspirou milhões de pessoas. Um beijo espontâneo que, registado em câmara, sela o fim da guerra e o princípio do romance. Passageiro ou não, o beijo ficou.

Leia também: Quando um homem ama uma mulher: 5 coisas que eles fazem quando amam!

guardarVJ Day. Foto Alfred Eisenstaedt de Alfred Eisenstaedt
VJ Day. Foto Alfred Eisenstaedt

Nº 1

O nosso pódio é um empate, entre a inocência de um primeiro beijo e a tempestuosidade de um beijo há muito devido. Trazidos pelo universo cinematográfico para a casa e coração de cinéfilos e apaixonados, o beijo do filme O Meu Primeiro Beijo e o Beijo do clássico E Tudo o Vento Levou são dois dos mais simbólicos beijos de sempre do grande ecrã.

Leia também: Porque é que nos beijamos?

guardarscarlett and rhett butler gone with the wind
Vivien Leigh e Clark Gable em “E Tudo o Vento Levou”.
guardar
Macaulay Culkin e Anna Chlumsky em O Primeiro Beijo. Foto unitedstatesofally.tumblr

Cabe aos nossos leitores desempatar e decidir, se preferem a inocência do beijo trocado entre Macaulay Culkin e Anna Chlumsky ou a voracidade do beijo trocado entre Vivien Leigh (aka Scarlett O’Hara) e Clark Gable (aka Rhett Butler), na obra prima de Victor Fleming.

Talvez também lhe interesse: